Book Creator

O1A2 - Criação Material Didático

by Clube Europeu EB Júlio Dinis

Cover

Loading...
Ellipse;
Loading...
Loading...
Loading...
Criação Material Didático
Loading...
6.º ano
Loading...
Clube Europeu EB Júlio Dinis, Gondomar
Loading...
ETAPA 1
Brainstorming com os alunos
Foi proposto aos alunos desenvolver uma atividade para os alunos do 6.º ano reconhecerem os transportes ferroviários e a sua importância ao longo dos tempos.

Explicado o tema, os alunos começaram a sua pesquisa e realizaram algumas entrevistas a pessoas ligadas direta ou indiretamente aos transportes ferroviários.
Brainstorming
Comic Panel 1
Comic Panel 1
ETAPA 2 – Entrevista ao Senhor Joaquim Pinto Mendes
Antigo funcionário da CP, membro da Associação Portuguesa dos Amigos dos Caminhos de Ferro e colecionador de um vasto de espolio ligado ao mundo dos comboios.
Nesta entrevista os alunos tiveram oportunidade de conhecer a história do comboio em Portugal e a sua evolução.
ETAPA 3 – Entrevista ao Senhor José Garrido
Com esta entrevista os alunos entenderam a importância da estação de Rio Tinto, Gondomar para o desenvolvimento local e compararam a utilização do comboio com o aparecimento da linha de Metro que veio tirar algum protagonismo ao comboio em Rio Tinto.
Comic Panel 1
Comic Panel 1
Comic Panel 1
ETAPA 4 – Entrevista ao Dr. Sérgio Carvalho
Com esta entrevista os alunos adquiriram algumas informações sobre as repercussões positivas da utilização do Metro em termos de mobilidade e ambientais. 
Depoimento escrito
No seu entender a vinda do Metro para o Porto teve repercussões positivas em termos de mobilidade e ambientais?
Sim, foi muito importante para a área metropolitana do Porto, em termos ambientais o metro é um veículo que é movido a corrente elétrica contínua o que faz com que a movimentação do mesmo não produz poluição para a atmosfera da cidade ao contrário dos carros, autocarros, camiões etc., também tiveram a preocupação de em muitas áreas da rede do metro plantarem zonas verdes que tanta falta faz as cidades.
Em questões de mobilidade também não foi menos importante, pois os clientes podem movimentar-se para vários pontos da cidade e mesmo para outras cidades de forma muito mais rápida, mais cómoda e com um tempo de passagem entre veículos muito curto.

De que forma o metro contribuiu para a reconversão das áreas por ele servidas?
Sem dúvida que as áreas envolvidas ganharam muito com a vinda do metro, a fácil mobilidade das pessoas com este meio de transporte fez com que estas zonas começassem a ganhar vida com a circulação de pessoas, logo começaram a surgir novas oportunidades de negócio, como os cafés, esplanadas, restaurantes, lojas de conveniência, mais tarde a linha do aeroporto abriu as portas aos turistas.

Num período em que se fala tanto em sustentabilidade, e sendo um dos meios de transporte menos poluente, na sua opinião, vamos assistir ao aumento de linhas?
Sim, este projeto começou com a linha A que só fazia Senhora da Hora-Trindade, hoje em dia tem 70 km de linha com 82 estações, e com um contrato já aprovado para duas novas linhas a serem feitas até 2023, que é a continuação da linha de Santo Ovídeo até Vila d’Este e uma nova linha que vai da Casa da Música até São Bento. É um projeto que irá estar sempre em crescimento para chegar ao maior número possível de pessoas.
Comic Panel 1
ETAPA 4 – Entrevista ao Dr. Sérgio Carvalho
No ano Europeu dos transportes ferroviários, até hoje, só temos ouvido falar do comboio. O Metro é um “concorrente” do comboio ou os dois meios de transporte complementam-se?
O metro e o comboio sem dúvida que são um meio de transporte que se complementam, são parecidos mas diferentes, o metro é um transporte rápido usado para viagens curtas e com pouco conforto, andando constantemente no “para e arranca” devido ao pouco espaçamento entre estações, o comboio é um transporte mais lento e mais confortável para viagens mais longas.
Depoimento escrito
Como explica o fim de muitas linhas de comboio que foram convertidas em linhas de Metro?
Essa situação foi devido a decadência das linhas que estavam desatualizadas e tinham que sofrer uma profunda remodelação, eram via única, o comboio só podia andar num sentido um de cada vez, o que fazia com que a frequência de passagem fosse muito grande, o que o tornava pouco atrativo para os passageiros. Tendo isto em conta e com o metro a surgir na cidade do Porto foi aproveitado algumas infraestruturas do comboio para as transformar no metro, penso que foi uma excelente ideia para requalificar essas áreas.

Qual o impacto social que o metro tem, atualmente? Diariamente entram no metro pessoas mais jovens ou mais adultas? Que conclusão pode tirar disso?
Ora bem, o impacto social é muito grande, pois o metro é um transporte que oferece muitos descontos para quem for portador de um passe, logo o torna um meio de transporte barato. Existem clientes de todas as idades,o que os define melhor são as próprias estações, se tiver uma escola ou universidade próximo são clientes mais jovens, se tiver hospitais ou clínicas de saúde são clientes mais idosos, se tiver comércio ou escritórios são pessoas de meia idade. 

Acha que o uso do metro está, também relacionado com o facto de não ser tão poluente?
Em termos de clientes não, acho que as pessoas não ligam muito a isso, mas em termos governamentais sim, cada vez mais as entidades que decidem o futuro dos transportes estão a apostar muito nos transportes não poluentes, e que se movimentam com outros tipos de energias, que não seja os combustíveis tradicionais (gasóleo e gasolina) que são muito poluentes.
PrevNext