Book Creator

CONTOS DE ENCANTAMENTO - 2º ANO - TARDE

by Biblioteca Vila Alpha

Cover

Loading...
Loading...
AS HISTÓRIAS MÁGICAS DO
2º ANO
Loading...
Loading...
Loading...
Loading...
Loading...
Loading...
Loading...
Loading...
Loading...
Loading...
Loading...
Loading...
Loading...
Loading...
Loading...
Loading...
Loading...
Loading...
Loading...
Loading...
Loading...
Loading...
Loading...
Loading...
Loading...
Loading...
SUMÁRIO
Apresentação .................................................................3
A cabeça voadora (Reescrita coletiva).......................4 e 5
A alma e o coração da baleia .....................................6
O gato de botas ............................................................7
O pequeno polegar ......................................................8 e 9
Os três ratinhos e o gato mau ....................................10
O patinho feio ...............................................................11
Chapeuzinho Vermelho ...............................................12 e 13
Barba Roxa ....................................................................14 e 15
Autores ...........................................................................16
Apresentação
CRIANÇA ESCRITORA

Desde a Educação Infantil, as crianças têm contato com diferentes textos e, a partir do repertório e vivência com a diversidade dos gêneros literários, elas são capazes de produzir textos se comunicando com diferentes destinatários . A proposta da reescrita de um Conto de Encantamento é importante nesse momento da escolaridade, em que as crianças já têm familiaridade com o gênero eleito (contos de fadas) e podem ampliar suas competências como produtoras de textos. 
Em toda a Educação Infantil e ainda nas séries iniciais do Fundamental I, vários foram os contos lidos. Nesta série, em especial, as crianças tiveram a oportunidade de escolher um conto para reescrever aprendendo não só a produzir, mas também analisar e revisar o texto.  

Boa apreciação dos contos escolhidos e escritos pelas crianças! 
A CABEÇA VOADORA 
(Reescrita coletiva)

Há muito e muito tempo atrás, existiam criaturas terríveis, espíritos malignos, que assombravam a Terra. O sol forte afugentavam esses seres malignos, mas à noite eles saiam de suas tocas para caçar as suas presas, com os dentes sangrando, assustando as pessoas que viviam neste planeta horripilante. Mas o monstro mais assustador de todos que viviam lá, debaixo da cama, do travesseiro e do cobertor, era a Cabeça Voadora. Ela tinha duas asas imensas, que permitiam se deslocar pelos ares com incrível rapidez, sobrevoava o céu cortando as nuvens e o ar. Sempre suja, olhos avermelhados da cor do sangue e assustadores, dentes amarelados, cabelos emaranhados e uma boca retorcida que soltava chamas.
Em uma noite muito escura e chuvosa, uma índia muito corajosa estava amamentando o seu bebê, de repente ouviu um barulho muito estranho e saiu e viu de longe a Cabeça Flutuante se aproximando da tribo. E a jovem iroquesa falou para todas as pessoas da sua tribo: 
Não podemos deixar os nossos filhos com medo desses monstros! Precisamos fazer alguma coisa! 
No mesmo instante o povo fugiu, deixando para trás a jovem mãe iroquesa. 
A índia corajosa aguardou dentro da casa comunitária a Cabeça Voadora, pegou brasas fingindo ser comida e comia com uma forquilha e disse: 
- Aposto que nunca ninguém comeu um quitute tão delicioso quanto este!  
Mas a Cabeça flutuante não reparou que ela jogava as brasas pela janela, e por causa da chuva que caía naquela noite, as brasas se apagaram. O monstro abriu a porta, voou e comeu todas as brasas restantes e queimou a sua boca. E saiu voando para a floresta e nunca mais voltou. 
As pessoas voltaram para as casas comunitárias e encontraram a jovem iroquesa sentada em um toco de madeira calmamente amamentando o seu bebê. 


A ALMA E O CORAÇÃO DA BALEIA


NUMA TEMPESTADE MARINHA APARECEU UM CORVO BOBO BOBO BOBO DE MARRÉ DE SI, UMA BALEIA DO TAMANHO DO TITANIC E UM MEGALODONTE. O CORVO ESPEROU UMA HORA E APARECEU UMA BALEIA, O GIGANTE BICHO AZUL, E NÃO APARECEU O MEGALODONTE. ENTÃO O CORVO ENTROU NA BOCA ENORME E O CORVO VIU UMA MOÇA E DISSE:
VOCÊ PODE FAZER TUDO, MENOS APAGAR ESTA LANTERNA!
 O CORVO FICOU CURIOSO E APAGOU A LANTERNA. A MOÇA MORRE E A BALEIA TAMBÉM. A AVE VIROU UM HOMENZINHO FEIO E FOI PARA A PRAIA E DISSE:
EU MATEI A-BALEIA!
 E TODOS BATERAM PALMAS. O HOMENZINHO FICOU RICO E FOI MORAR NA CIDADE. UM BELO DIA O HOMEM FOI PARA A PRAIA E TODOS OS PECADORES APLAUDIAM. 
VOCÊ É O MELHOR!
ENTÃO ATIRAM NOTAS DE CEM REAIS E AS MULHERES PEDIAM AUTÓGRAFO OS BARS DAVAM TODA E O HOMENZINHO FEIO PAROU EM UMA LOJA. E COMPROU ALGUMAS COISAS E MERGULHOU E O MESMO MEGALODONTE IGUAL A UM RAIA MERGULHOU.
Por Henrique e Luís Felipe
PrevNext